Meu livro favorito #1

Olá, pessoal!  Hoje resolvi estrear mais uma coluna aqui no blog, que provavelmente será mensal. A coluna vai funcionar assim, vou escolher um tema e apresentar meu livro preferido sobre. Como a estreia do último filme de Harry Potter está aí – amanhã \o/ – vou começar com ele e não podia ser diferente, afinal são anos acompanhando as aventuras do bruxinho e crescendo com ele.

 Harry Potter por si só já é preferido, já é queridinho. Foi a série de livros que me fez querer ler mais e mais, comprar e devorar livros. Adoro que isso tenha acontecido. Também foi um pouco responsável por trazer minha irmã para esse mundo da leitura, embora ela ainda não tenha sido sugada totalmente, está no caminho.

Voltando ao Harry. De todos os livros da série, meu favorito é Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Por quê? Bem, com uma explicação simples: Sirius Black. Comentando ontem sobre isto com amigas, a aparição de Sirius trouxe uma “família” para o Harry, uma família dele, o carinho, afeição e cuidados de que tanto precisava. Claro que ele tinha os pais de Rony, o próprio Hagrid, mas com Sirius é diferente. Acho que vocês me entendem.

Também é o livro da clássica cena com a tia Guida, incrível. Sem falar que conhecemos Remo Lupin e descobrimos a faceta má do Perebas, rato do Rony, que na verdade é o “disfarce” de Pedro Pettigrew. A aparição dos dementadores, a fuga que se pensava ser impossíve de Azkaban. Ah, que vontade de reler. Enfim, posso ficar enumerando, mas as que citei acima são as razões principais, além do fato de gostar muito de como J.K. o escreveu.

29282_140 Sinopse:

As aulas estão de volta a Hogwarts e Harry Potter não vê a hora de embarcar no Expresso a vapor que o levará de volta à Escola de Magia e Bruxaria. Mais uma vez suas férias na Rua dos Alfeneiros, 4, foi triste e solitária. Tio Válter Dursley estava especialmente irritado com ele, porque seu amigo Rony Weasley tinha lhe telefonado. E ele não aceitava qualquer ligação de Harry com o mundo dos mágicos dentro de sua casa.
A situação piorou ainda mais com a chegada de tia Guida, irmã de Válter. Harry já estava acostumado a ser humilhado pelos Dursley, mas quando tia Guida passou a ofender os pais de Harry, mortos pelo bruxo Voldemort, ele não aguentou e transformou-a num imenso balão. Irritado, fugiu da casa dos tios, indo se abrigar no Beco Diagonal.
Lá ele reencontra Rony e Hermione, seus melhores amigos em Hogwarts e, para sua surpresa, é procurado pelo próprio Ministro da Magia. Sem que Harry saiba, o ministro está preocupado com o garoto, pois fugiu da prisão de Azkaban o perigoso bruxo Sirius Black, que teria assassinado treze pessoas com um único feitiço e traído os pais de Harry, entregando-os a Voldemort. Sob forte escolta, o garoto é levado para Hogwarts.
Na escola as dificuldades são as de sempre: Severo Snape, o professor de Poções, o trata cada vez pior, enquanto ele tem de se esforçar nos treinos de quadribol, e levar Grifinória à vitória do campeonato. Para piorar a situação, os terríveis guardas de Azkaban, conhecidos por dementadores, estão de guarda nos portões da escola, caso Sirius Black tente algo contra Harry. Por fim, ele tem de enfrentar seu inimigo para salvar Rony, vendo-se obrigado a escolher entre matar ou não aquele que traiu seus pais.
Com muita ação, humor e magia, Harry Potter e o prisioneiro de Azkaban traz de volta o gigante atrapalhado Rúbeo Hagrid, o sábio diretor Alvo Dumbledore, a exigente professora de Transfiguração Minerva McGonagall e o novo mestre Remo Lupin, que guarda grandes surpresas para Potter.

E para vocês, qual o melhor livro da série Harry Potter?

Comente com o Facebook: