Sirensong – O perigoso chamado da rainha

sirensong Vivo dizendo por aí que estou cansada de séries e tudo o mais, é a pura verdade, mas é verdade também que quando temos que nos despedir de personagens aos quais nos apegamos, é muito difícil e bastante triste. Sirensong – O perigoso chamado da rainha  marcou o fim da trilogia Faeriewalker e fechou com chave de ouro.

Dana é uma faeriewalker, filha de uma humana alcoólatra e um feérico muito importante. Cansada das bebedeiras e vergonheiras da mãe, Dana decidiu ir para Avalon encontrar seu pai, afinal, ela queria ter uma vida comum de adolescente e em casa, a adulta era ela. Porém, ao chegar em Avalon, ela descobriu que vida comum não era para ela. Entre armadilhas e más intenções, ela descobriu seu poder de faeriewalker, que seu pai seria candidato a um cargo muito alto em Avalon e que ela agora era alvo não só de pessoas ambiciosas que queriam usar seu dom, mas também, das duas rainhas de Faerie, Titânia e Mab. Para piorar, ela conhece o Erlking, um assassino sanguinário e muito charmoso, que também tem interesse em seu poder, já que com ele poderá ir para o mundo mortal e fazer a festa matando pessoas. Seu namorado Ethan é sequestrado pelo vilão e para libertá-lo ela faz um acordo bem sinistro – ela só poderia entregar sua virgindade a ele. É, um dos ingredientes mais constantes nos livros de Jenna Black é a aventura.

Estranho que eu tivesse conseguido me mudar para Avalon, descoberto que sou uma faeriewalker, ter pessoas querendo me matar e, ainda assim, algumas partes da minha vida permanecessem da mesma forma. Página 40

E para finalizar, Dana e seu pai são convidados da rainha seelie, Titânia,  para ir a Faerie, para que Dana seja oficialmente apresentada à Corte. Seria incrível conhecer o lugar rodeado por magia, não fosse o perigo eminente por sua vida. Dana é uma faeriewalker, pelo que se sabe, a única em mais de 100 anos. Ela é capaz de levar magia ao mundo mortal e tecnologia para Faerie. É temida por suas habilidades e, como citei acima, ambas as rainhas a querem morta.  Acho que não é uma boa ideia fazer uma visitinha.

Porém, o convite não pode ser recusado e seu pai diz que a viagem será segura, já que são convidados da rainha, ela jamais atentará contra a vida deles. Mesmo assim, Dana não está completamente certa sobre isso. Para a aventura ficar completa, Keane, seu instrutor de defesa pessoal e gato; Finn, seu segurança particular; Ethan, seu namorado e mestre em magia; e Kimber, sua melhor amiga, a acompanham na viagem. O grupo rumou para Faerie na comitiva do príncipe Henry, sujeitinho mais nojento do planeta, mimado e que não se importa nem um pouco com as outras pessoas.

Quando entramos na passagem, minhas mãos não só suavam como também tremiam. Eu estava prestes a deixar tudo que era normal e familiar para trás e entrar em um mundo em que a magia reinava com supremacia. Um mundo onde pelo menos uma rainha feérica queria que eu morresse, e no qual criaturas que atormentavam os pesadelos dos mortais viviam. Página 82

Bom, o fato é que a viagem não ocorreu como todos esperavam, houve um ataque surpresa e depois de chegarem vivos ao palácio de Titânia, uma bomba os esperava. Bomba mesmo, alguém colocou uma embaixo da cadeira da princesa e por pouco ela não morreu no ataque. Mas bombas são armas do mundo mortal, só uma faeriewalker poderia ter levado ela para Faerie, se a única conhecida em anos é Dana, adivinhem quem levaria a culpa?

Seamus, o pai de Dana, ligou os pontos segundos depois da explosão e mandou que a filha fugisse com os amigos e voltasse para Avalon, ali, ela jamais teria um julgamento justo. Quatro jovens contra um batalhão de Cavaleiros. É, a vida de Dana nunca será tediosa pelo jeito. Agora Dana tem um turbilhão passando na cabeça. Ela não é culpada e precisa provar isso, ela se acha responsável pela vida e segurança de seus amigos, além de estar completamente preocupada com o que pode ocorrer com seu pai e Finn, que ficaram para trás.

9720766 Capa gringa

Acho que se fosse comigo eu entrava em choque. Não saberia como agir. Dana tem muito senso de justiça, é daquelas que quer fazer tudo certinho e, na maioria das vezes, faz coisas estúpidas pelo bem dos outros. Ela quer sempre salvar todo mundo, mesmo que isso não seja possível. Isso a faz uma ótima protagonista, digna de querer ser estrangulada pelo leitor em alguns momentos, mas também digna de orgulho quando encontra saídas que pareciam inexistentes.

- Consigo ler você como um livro aberto – ele disse. – Esqueça o Erlking por um tempo. Podemos nos divertir muito sem cruzar esse limite – havia uma centelha em seus olhos que fez meu coração farfalhar. – Posso ser bem criativo, sabia? Página 73

Sirensong é de perder o fôlego. A magia está presente como nunca antes, os hormônios também. Novos seres, novas personalidades e situações embaraçosas são encontrados no livro. E, como vocês devem suspeitar, um novo faeriewalker também. Sem dúvidas, a leitura foi cheia de emoção, tanto pela história quanto pela despedida. Um fato interessante foi que no fim nem tudo ficou um mar de rosas para Dana, ela precisou aprender a lidar com alguns problemas que não puderam ser resolvidos por ela, mesmo ela tentando arduamente. A parte boa é que agora ela tem amigos com quem contar. Fiquei bem contente com o fim que a trilogia teve. Vou sentir saudades da turma, principalmente de Keane♥.

Beijos e uma maravilhosa quinta-feira.

Comente com o Facebook: