Rango

gallery_51230_25_253239 Eu amo animações e isso não é novidade. Então, sempre que surge uma oportunidade de viajar com uma nova história, não perco tempo e me jogo. Na época do lançamento de Rango lembro que fiquei bastante curiosa com a proposta do filme, um camaleão que parecia viver no velho oeste. Para mim, a ideia era nova e criativa, supus que seria bem interessante também.

Tempo vai e tempo vem, achamos ele passando na TV no domingo e o maridão me acompanhou na aventura. O camaleão protagonista do filme é criado por um humano, vive em um aquário e tem como amigos um peixe de plástico e um tronco de uma boneca. O bichinho é mega criativo e vive encenando suas histórias. Até que um dia, plaft, seu aquário cai do carro e se espatifa no meio da estrada, no meio do deserto. Aquele ambiente é completamente diferente de tudo que ele estava acostumado, mas na natureza a regra é clara: ou você se vira para sobreviver ou acaba virando comida alheia. E bem que uma águia do mal tentou fazer um lanchinho com o camaleão.

Em suas andanças, o protagonista acaba se encontrando com Feijão e ganha uma carona para Poeira. A cidadezinha é a cara do velho oeste, parece parada no tempo, e agora sofre com a falta de água. Rango não tinha um nome até cair do carro, ele não sabia quem realmente era e é ali que escolhe seu nome, lendo em uma garrafa e cortando uma parte do que estava escrito. Como eu contei antes, Rango é muito criativo e não demorou muito para ele criar as histórias mais incríveis que aquele povo já ouviu, ganhando a admiração deles. Até mesmo do prefeito, que o nomeou xerife.

rango_3 Mas até parece que a vida é tão fácil assim, né? O reservatório de água da cidade está no fim e a torneira que os abastecia todas as quartas-feiras só soltou lama. Os habitantes estão apavorados e querendo deixar a cidade. Para piorar, um bando de ladrões assalta o banco – que guarda a água – e leva o restinho do que tinham. É a hora do xerife exercer seu papel e, talvez, voltar como um herói para a cidade que o acolheu.

O filme tem ação e personagens carismáticos a seu favor, mas não me animou tanto. O roteiro não é dos melhores e vamos combinar que os personagens são tão feios, que é meio esquisito. Sabem, não são aqueles personagens fofinhos que estamos acostumados a encontrar nesse tipo de filme, mas são sujos e feios, são sapos, lagartos, ratos e etc. O que também pode ter um fator positivo: não precisa ser bonito para aparecer, os feios também têm vez. A linguagem também faz pensar que o filme não é tão voltado para crianças assim. Mas algumas lições podem ser tiradas, como a falta de água e o uso irracional desse recurso natural pelos humanos e o fato de que precisamos acreditar em nós mesmos.tn_620_600_Rango Eu esperava mais da produção, que foi apenas mediana. Os prós e os contras ficaram no mesmo limiar. Não me arrependo de ter visto, ele é legal, eu só esperava mais. Lendo sobre ele no Adoro Cinema, encontrei uma informação bem importante que quero compartilhar, ela foi escrita por Francisco Russo:

Aos maiores, o filme conta com alguns atrativos extras. A abertura logo remete a Django, clássico do western spaghetti. As corujas mariachi são outro ícone presente, bem como sua intenção de "imortalizar com uma canção a história de uma lenda".

Alguém lembrou de O Mariachi ou A Balada do Pistoleiro, ambos de Robert Rodriguez? Os planos utilizados remetem demais a Sergio Leone, outro clássico dos faroestes, e a trilha sonora possui inúmeras referências. De Pulp Fiction à Cavalgada das Valquírias, eternizada em Apocalypse Now, que surge com a bacana versão ao som do bandolim. Fora o estranho sem nome, da trilogia Por um Punhado de Dólares/Por uns Dólares a Mais/Três Homens em Conflito, que faz uma breve e importante participação.

Só que, para perceber estas e outras referências, é necessário ter uma boa bagagem cinematográfica. Caso contrário, tudo passa em branco.      Fonte.

Para mim, passou tudo em branco. Tá, eu consegui identificar música e tal, mas não liguei aos filmes citados, até porque nem lembro de conhecê-los. Achei legal dividir essa informação com vocês.

db360.148549.7.tif

Curiosidades

  • Primeira animação a ter efeitos especiais elaborados pela Industrial Light & Magic (ILM).
  • É o 4º filme em que o diretor Gore Verbinski e o ator Johnny Depp trabalham juntos. Os anteriores foram Piratas do Caribe - A Maldição do Pérola Negra (2003), Piratas do Caribe - O Baú da Morte (2006) e Piratas do Caribe - No Fim do Mundo (2007).
  • O personagem Rattlesnake Jake foi modelado tendo por base o ator Lee Van Cleef.
  • Ned Beatty baseou sua dublagem no personagem interpretado por John Huston em Chinatown (1974).
  • A dublagem do filme não conta com brasileiros "famosos" e sim com as vozes de profissionais do ramo, conferindo qualidade total ao resultado final dos sotaques roceiros.

Fonte.

Beijos e uma ótima quarta-feira. O feriado está chegando!

Comente com o Facebook: