Se você fosse minha

Se-Voce-fosse-Minha-Frente

Cada membro da família Sullivan consegue conquistar o leitor de alguma forma. Claro, há sempre um que será o favorito, mas não tem como negar que essa família é especial, além de muito fogosa. Em Se você fosse minha é a vez de Zach Sullivan se entregar às loucuras do amor. Como ocorre no início de todos os outros livros, nenhum deles quer realmente se envolver no momento, mas a faísca acontece e quando o fogo acende, minha gente, é difícil conter.

Zach é um queridão, passei a admirá-lo a cada página que eu lia. Apesar de ser criado em uma família sólida, com muitos irmãos e com muito amor, perder o pai ainda criança mexeu profundamente com Zach, que pensou que sofreria do mesmo mal que o pai, que morreria ainda muito jovem e deixaria sua família para se virar sozinha. Por conta disso, Zach não tinha interesse nenhum em ter um relacionamento com alguém. Ele ama sua família, sem dúvidas, mas não via razão para ter uma só dele.

O Sullivan da vez é dono de uma rede de oficinas mecânicas, mega rico, mas não é esnobe e é super educado, aliás, como todos os Sullivans são. Eu queria ter uma aula de como educar meu(s) filho(s) com Mary, porque olha, a mulher teve sucesso na criação dos filhos. Enfim, uma das novas adições à família foi Summer, filha de Megan, a paixão de Gabe. Summer é uma criança incrível e extremamente esperta. Fez Gabe levar uma cachorrinha fofa para ficar aos cuidados do novo tio enquanto a família faz uma viagem de algumas semanas. Zach é do contra no início, mas acaba cedendo, por Summer. Ternurinha, uma filhote de yorkshire, agora é responsabilidade dele. E ele odiou esse nome.

É aí que entra Heather Linsey. Ela é treinadora de cães e Ternurinha se mostrou uma filhote de arrepiar os cabelos. Indicada por uma conhecida em comum, ela agora tem a missão de colocar a cachorrinha na linha. Além de resistir às investidas do mecânico lindo e completamente o oposto de tudo que ela tinha pensado na primeira vez que o vira. Heather também tem seus problemas e suas convicções sobre relacionamentos e nem pensa em entrar em um, já que os homens não são dignos de confiança para ela. O problema é que Zach despertou algo nela, aquela chama, e ao conhecê-lo melhor, será difícil resistir aos seus encantos. Sem falar que Atlas, o dogue alemão de Heather, teve uma atração imediata com Ternurinha, os dois não podiam ficar longes um do outro.

Que bom que tinha superado aquela sensação. Tinha superado total e completamente as emoções provocadas por aquele queixo quadrado, os ombros largos e fortes, a maneira que a boca máscula se… Ah, que droga. Seu cérebro realmente precisava parar de se comportar daquele modo. Página 32

------

Apesar de ter o início como os outros livros, com aquela atração instantânea e a negação imediata dos sentimentos, o desenrolar da trama foi diferente. Heather foi mesmo dura na queda, tanto que a primeira vez que os dois fizeram as safadezas passava da página 160. Fato inédito uma mulher resistir tanto ao charme Sullivan, que é marca registrada.

Tal pai, tal filho. Era por essa razão que Zach sempre se sentira atraído pela velocidade. Carros. Mulheres. Vida. Queria aproveitar o máximo que pudesse antes que sua vida terminasse precocemente. Porque sabia que era parecido demais com seu pai para que as coisas acontecessem de outra forma. Página 44

Os dois protagonistas tinham barreiras enormes em volta de si e seriam muito superficial se elas fossem baixadas de imediato. Zach tinha medo do que pudesse lhe acontecer e vivia a vida como se aquele fosse o último dia, sempre aproveitando ao máximo, chegando perto do perigo com suas corridas e aproveitando as mulheres que caíam a seus pés. Heather, por sua vez, teve um passado doloroso, que deixou marcas profundas em sua pele e em seu coração e, na minha opinião, era quem tinha a barreira mais forte, a da desconfiança.

Para dar um toque de leveza na história, foram inseridos Atlas e Ternurinha e eu amei de paixão, já que sou uma cachorrenta assumida. E o papel deles foi de imensa importância porque quem mais poderia mostrar que o amor pode transpor barreiras do que um dogue alemão apaixonado por uma yorkshire? Eles são uma graça e eu queria apertar os dois. Ternurinha mesmo me fez lembrar dos perrengues que passei quando o meu cachorro era filhote, só que bem maior que ela. Aprontam tanto que quase nos deixam loucos, mas compensam as artes nos dando muito amor e felicidade.

Ela ainda não conseguia acreditar que seu cão se afeiçoara tanto a Zach, considerando que ele naturalmente desconfiava de todos os homens. Mesmo assim, os animais têm um dom de enxergar além das aparências e identificar a verdadeira natureza das pessoas. Eles sabem como identificar um sorriso falso que pode indicar o mal, ou perceber que um toque aparentemente inócuo é uma ameaça perigosa… ou, da mesma forma, que um homem que agia como uma ilha era capaz de tanto carinho e doçura a ponto de arrancar o fôlego de Heather, várias e várias vezes. Página 153

Voltando para a história. Bella Andre escreveu mais uma vez uma trama super gostosa de ler. Acho que depois do livro de Sophie, este é meu favorito. Diferente dos anteriores também, o livro não tem uma enxurrada de cenas calientes. Elas estão presentes em boa parte, é claro, mas não em todo o momento. Senti que neste eu realmente acompanhei uma paixão nascer e um amor florescer (poética). Para quem gosta do gênero, é recomendadíssimo.

fichaSkoobBaixe um trecho do livroSaiba Mais

Beijos e uma excelente terça-feira para todos nós.

Comente com o Facebook: