Vermelho como sangue

 

WP_20150115_002

As histórias dos contos de fadas como conhecemos estão cada vez ganhando mais novas roupagens. Mais mistério, suspense, ação, novos personagens, tudo para trazer para a atualidade aquelas famosas tramas – que todos sabemos, têm origens muito mais obscuras. Em Vermelho como sangue, Salla Simukka tem Lumikki como protagonista, uma menina de 17 anos. O nome da garota significa Branca de Neve em finlandês, mas devo confessar que essa foi a única semelhança com a história original que encontrei nesse primeiro livro da trilogia.

Lumikki mora longe dos pais, pois queria deixar seu passado para trás, e se dedica, além da escola, a não ser notada por ninguém. Ela não tem amigos, tende a ser bastante quieta e faz suas atividades praticamente de forma invísivel. Ela não gosta de festas, badalação e as coisas que as pessoas da sua idade geralmente fazem. É desconfiada por natureza. Em um de seus momentos sozinha na escola, ela entra no laboratório de fotografias e encontra muito dinheiro, sujo com o que parece ser sangue. Ela não toca nele, mas sua mente não o esquece e quando volta para investigar mais sobre isso, descobre o dono da quantia. A partir daí ela se mete numa enrascada das grandes, quando tudo o que sempre quis foi ser invísivel e passar pelo ano letivo sem maiores preocupações.

A premissa é excelente, uma releitura de um conto de fadas, como comentei acima, adicionando uma pitada de suspense e mistério, então, fica super instigante. Mas ao terminar de ler o livro, não consegui definir o que senti. Eu gostei, mas achei muita coisa confusa. 

A autora não entrega os detalhes esmiuçados, ela nos guia sutilmente e até não foi isso que me incomodou, mas as histórias soltas do passado de Lumikki, que entendo, devem ser explorados nos próximos dois livros, mas achei muito confuso isso tudo jogado no meio da história que estávamos acompanhando. 

Tirando isso, gostei muito de Lumikki, uma garota que nunca quis ser notada, após sair da cidade natal para estudar, que não queria se meter com nada nem ninguém, tenha se afundado em um esquema extremamente perigoso, que quase lhe custou a vida. Mas ajudou a solucionar suas dúvidas e colocar um ponto final na questão. 

Estou curiosa pra saber o que os próximos livros explorarão, acredito que tenha a ver com o amor misterioso que ainda parte o coração da garota e com Urso Polar. Veremos. Até porque sabemos que algo muito grande aconteceu com a garota. Lumikki é uma personagem forte, guerreira, preparada por uma infância repleta de bullying, que teve que aprender a vencer, mesmo que - ao que parece - involuntariamente. Creio que ela ainda tenha muita coisa para contar. Também espero por mais elementos que me façam linkar esse história com a original.

Foi bem interessante também "viajar" para um lugar tão diferente, com uma língua diferente, como a Finlândia. Apesar de nao ter “passeado” tanto pelas ruas, pude me sentir no meio da trama. Sentir o frio cortante, o clima do ambiente, saber um pouco como vivem por lá. Creio que este tenha sido o primeiro livro que li que se passa no lugar.

Foi um livro bom, que me deixou curiosa, mas também confusa. Pretendo ler as continuações para saber como a história de Lumikki termina. Os próximos livros se chamam Branco como a Neve e Preto como o Ébano.

vermelho1

vermelho 2

Gostei muito da capa e a diagramação também estava ótima. Não lembro de ter visto muitos erros de digitação ou diagramação, o que é super mega positivo. Agora é só esperar pelas continuações e que a história tenha um final redondinho. Assim que anunciaram o lançamento, li muitas pessoas empolgadas, porque a trilogia tem bastante sucesso lá fora. Adicione no Skoob.

image

Beijos e ótima quinta.

Comente com o Facebook: