Perseguição Digital

capa2

À primeira vista o livro de Loraine Pivatto me deixou um pouco desapontada. Com uma narrativa confusa, hora em primeira pessoa com dois personagens diferentes e hora em terceira pessoa, isso tudo em um capítulo, realmente pensei que não gostaria do livro. Sem falar em alguns diálogos que achei fracos e de uma frase que me deixou boquiaberta: “Joana era uma fêmea linda e sedutora...” – descrevendo-a como se fosse um animal, algo que não gostei. A palavra mulher cairia muito bem e não daria este tom à frase. Mas fui surpreendida e adoro ser surpreendida assim.

Bem, em Perseguição Digital temos a estória de Joana. Uma mulher de sucesso, bonita e cheia de vida que leva um baque da vida, mais precisamente de seu amado, Fernando. De um dia para o outro ele termina a relação deles, que durava cinco anos. Total e completamente apaixonada, Joana entra numa depressão daquelas daquelas que eu não gosto, do tipo que faz um boneco, cola a foto do cara no rosto dele e conversa normalmente na mesa. Doideira, né? Isso me irrita horrores. Sei que acontece, sei até que pode acontecer comigo, mas não suporto ler sobre mulheres que vão tão ao fundo do poço por causa de homem. Sério.

Continuando, Fernando não é dos mais espertos para senhas e tal, de forma que Joana consegue acessar calmamente seu correio de voz e seus e-mails. Ficando, assim, por dentro de tudo que o ex faz. Apaga mensagens, lê tudo e ainda responde e-mails por ele. Uma total falta de noção e respeito. Mas para ela é uma forma de saciar a saudade, de se sentir perto dele. Sabendo da programação de festas do ex ela bola um plano maquiavélico para se encontrar com ele e pimba, não é que dá certo. Mais uma vez ela tem Fernando na sua cama, se mostrando totalmente apaixonado. E devo dizer aqui, aliás, minha parte careta deve dizer, que achei as cenas de sexo muito explícitas, narrando como o membro estava ou não estava, etc e tal. Voltando, na manhã seguinte Fernando foge de Joana, a deixa boiando, jogada às traças e ainda mais confusa.

Fuçando a vida de Fernando, Joana descobre que ele vem conhecendo muitas garotas e vai para a cama com todas, quando elas se mostram apaixonadas, ele pula fora e acaba com tudo. E assim segue, com Joana sempre obcecada em saber o motivo de Fernando tê-la deixado. Para isso ela cria um Nick falso em um bate-papo e vira amiga dele, ultrapassando todos os limites, até um vírus ela coloca no PC dele para poder mexer em seus arquivos. Louca! Insana! E o resultado, você deve ler para descobrir.

Um dos pontos altos do livro é a parte em que Joana começa a frequentar um orfanato e a se apaixonar por uma das crianças, Michelle. Super válida. Fiquei até com vontade de fazer a mesma coisa, isso se tivesse um orfanato aqui assim. Enfim, aquela narrativa confusa vai sumindo ao longo dos capítulos, que têm nomes muito criativos, aparecendo só aqui ou ali, mas sem incomodar como no começo, o mesmo ocorre com os diálogos que ficam melhores. Gostei de me surpreender e o final foi muito legal, além de ter amado poder ler mais um livro de autor nacional.

Este livro faz parte do Book Tour Privilegiando a cultura nacional, promovido pelo blog My Everything, da Anna Furtado.

Book Tour - Privilegiando a cultura nacional

Beijos e uma ótima terça!!

Comente com o Facebook: