Millennium - Os homens que não amavam as mulheres

Millenium - Os Homens Que Não Amavam As Mulheres Lá no fim de agosto do ano passado eu escrevi sobre o mesmo filme, mas na versão sueca. O enredo é o mesmo, o que muda em Millennium – Os homens que não amavam as mulheres são os atores, a equipe técnica e o alcance desse novo filme. Afinal, a versão hollywoodiana chega mais longe do que a sueca e, assim, um número maior de pessoas pode conferir a trama criada pelo gênio Stieg Larson. O filme de 2009 tem cenas fortes, inclusive uma que me fez até chorar, pensei que a versão de 2011 fosse amenizar esses traços mais fortes, que estão presentes no livro e dão toda uma identidade à trama, mas o diretor David Fincher não amenizou nada e fez uma versão tão boa no quesito adaptação quanto o outro diretor. Millenium-Os-Homens-Que-Não-Amavam-As-Mulheres

Sinopse: Harriet Vanger desapareceu há 36 anos, sem deixar pistas, em uma ilha no norte da Suécia. O local é de propriedade exclusiva da família Vanger, que o torna inacessível para a grande maioria das pessoas. A polícia jamais conseguiu descobrir o que aconteceu com a jovem, que tinha 16 anos na época do sumiço. Mesmo após tanto tempo, seu tio Henrik Vanger ainda está à procura e decide contratar Mikael Bomkvist, um jornalista investigativo que trabalha na revista Millennium. Bomkvist, que não está em um bom momento por enfrentar um processo por calúnia e difamação, resolve aceita a proposta e começa a trabalhar no caso. Para isso, ele vai contar com a ajuda de Lisbeth Salander, uma investigadora particular incontrolável e antissocial.

O enredo até pode ser o mesmo, mas a forma como ele é apresentado é diferente. A começar pela abertura, uma cena genial, estilizada, ao som da versão de Trent Reznor e Karen O. para Immigrant Song, do Led Zeppelin (veja no fim do post). É sensacional. Lisbeth está mais dark, Mikael mais charmoso e Hedestead mais fria. Henrik, interpretado por Christopher Plummer também é um ponto alto, ele passa muito bem o sentimento de um tio que sofre com a perda da sobrinha e com a falta de conhecimento sobre quem fez algo contra ela.

41 A investigação sobre Harriet é o centro de tudo, mais explorada que na outra versão. Fiquei agoniada de novo, acompanhando Mikael e, posteriormente, Lisbeth na busca pelas pistas e na ligação de peças. A sócia-chefe de Mikael também aparece mais e faz a cena final ser completamente diferente de qualquer filme, mostrando que ali não há felizes para sempre para todos os personagens. Não posso deixar de comentar que a Lisbeth de Hollywood é mais feia do que a sueca. A atriz de lá, Noomi Rapace, mesmo com o estilo da Lisbeth tinha um rosto bonito. Já a de Rooney Mara ficou bem tenebrosa, mas de uma forma boa. Depois, sem os piercings, a maquiagem e o cabelo, podemos perceber a diferença, como ela é bonita. A atuação da atriz foi excelente, ela era mesmo a Lisbeth, introvertida, na dela, sem muitas palavras e safadinha.

937950-Girl With The Dragon Tattoo, The O tutor, Nils Bjurman, é mais novo nessa versão, mas não menos nojento e escroto. Preciso acrescentar que adorei a cena no elevador: “pare de visitar sites de remoção de tatuagens”. Enfim, mesmo sendo um remake, Os homens que não amavam as mulheres é tão bom quanto o original e, em alguns quesitos, até melhor.

As críticas – tanto da imprensa quanto dos espectadores - são unânimes, elogiam o trabalho de David Fincher e exaltam a produção. O filme está cheio de estrelinhas. Eu daria cinco, o resultado foi muito bom mesmo.

Curiosidades

  • Baseado no primeiro livro da trilogia Millenium, escrita pelo sueco Stieg Larsson, composta ainda por 'A Menina que Brincava com Fogo" e "A Rainha do Castelo de Ar".
  • Atentos ao potencial do filme sueco de 2009, os americanos não pensaram duas vezes e partiram para um refilmagem hollywoodiana num curto espaço de tempo.
  • As atrizes Carey Mulligan, Ellen Page, Kristen Stewart, Mia Wasikowska, Keira Knightley, Anne Hathaway, Olivia Thirlby, Emily Browning, Eva Green, Emma Watson, Evan Rachel Wood, Sophie Lowe (Blame), Sarah Snook (Sleeping Beauty), Léa Seydoux (Missão Impossível - Protocolo Fantasma) e Katie Jarvis (Fish Tank) estavam na lista de nomes considerados para o papel de Lisbeth Salander. Algumas desistiram da ideia, outras foram rejeitadas pelos produtores e quem acabou ficando com o personagem foi a atriz Rooney Mara; (Já imaginaram Kristen como Lisbeth? Eu nunca. Nossa!!!)
  • Natalie Portman desistiu da ideia por estar muito exausta para pegar outro projeto. Scarlett Johansson foi descartada por David Fincher por ele considerá-la muito sexy. Já Jennifer Lawrence perdeu a chance por ser muito alta.
  • O ator Max Von Sydow era a escolha original para viver Henrik Vanger, mas desistiu, sendo substituído por Christopher Plummer.
  • Antes de fechar com Daniel Craig para viver Mikael Blomkvist, a produção teve os nomes de Johnny Depp, Viggo Mortensen, Brad Pitt e George Clooney cogitados.
  • Craig chegou a desistir do papel porque as filmagens iriam coincidir com o 007 - Skyfall previsto para novembro de 2012. A sorte foi que o 23º filme de James Bond sofeu novos atrasos e aí deu tudo certo. Alívio para os fãs do ator.
  • Pelo desempenho na trilogia sueca dando vida a Lisbeth Salander, a atriz Noomi Rapace chegou a ter uma campanha capitaneada por críticos, pedindo o seu retorno para o papel, mas ela mesma recusou a ideia, declarando insatisfação de repetir o mesmo personagem por três vezes nas mesmas histórias.
  • A produção levou um susto quando se deparou com a presença de Ellen Nyqvist trabalhando em um restaurante onde rodavam uma cena com Daniel Craig/Mikael Blomkvist. A jovem é simplesmente a filha de Michael Nyqvist, que fez Blomkvist na versão sueca e acabou sendo convidada para uma participação numa cena criada para ela interagir com o sucessor de seu pai.
  • O ator Stellan Skarsgård, que é sueco, aparece nesta refilmagem, mas não participou do original de 2009.
  • A produção foi filmada em diversas locações, como Suécia, Suíça, Noruega e Estados Unidos.
  • O orçamento estimado foi de US$ 100 milhões.

Fonte.

Prêmios

  • OSCAR
    2012
    Indicações
    Melhor Atriz - Rooney Mara
    Melhor Fotografia
    Melhor Edição
    Melhor Mixagem de Som
    Melhor Edição de Som
  • GLOBO DE OURO
    2012
    Indicações
    Melhor Atriz - Drama - Rooney Mara
    Melhor Trilha Sonora
  • BAFTA
    2012
    Indicações
    Melhor Fotografia
    Melhor Trilha Sonora

Abertura:

Beijos e ótima quarta-feira!

Comente com o Facebook: