Sob o sol da Toscana

Sob O Sol Da Toscana Acho que é um sinal de que eu devo visitar a Toscana. Sério. Recentemente a região da Itália tem aparecido muito na minha frente, só pode ser um sinal, né? E um sinal lindo. Sob o sol da Toscana foi um achado na TV, mais uma pista do destino, gosto de pensar assim. Já tinha visto o trailer alguma vez e achei interessante, mas nunca tinha visto. O filme é de 2003 e tem como protagonista Frances Mayes, uma escritora e crítica de livros de São Francisco. Ela era feliz, tinha uma linda casa e um bom marido, até que descobre que ele a trai e tudo termina no divórcio. O cara é um pilantra, quer cobrar pensão dela e consegue ficar com a casa, tudo isso só serve para deixar Frances mega deprimida.

Mas há os amigos, que sempre, em qualquer situação, são nosso porto seguro. O porto de Frances é Patti, vivida por Sandra Oh, muito conhecida por seu papel em Grey’s Anatomy. Patti é gay, está grávida e em um relacionamento bom. Vendo a situação da amiga faz o que só alguém muito especial faria, troca duas passagens ecônomicas (dela e da namorada) por uma na primeira classe para Francis e o destino é a Toscana. A vantagem, segundo Patti, é que as duas fariam uma excursão para gays, então nenhum homem daria em cima de Frances e a incomodaria. Bom, se fosse comigo isso não me importaria, apenas conhecer a Toscana.

2003_under_the_tuscan_sun_005 Porém, Frances não quer aceitar o presente, quer mais é curtir a fossa. Até que chega a gota d’água e ela decide viajar. O lugar é lindo, enche os olhos, o coração e tudo o que tem que ser preenchido. Frances melhora bastante ao presenciar a beleza do local e em um dos passeios ela vê uma chácara para vender. Em um estalo, ela desce do ônibus da excursão e para no lugar, acaba com a venda dela para um casal e ganha um sinal de sorte, que a ajuda a adquirir o imóvel. Agora, Frances é dona de uma casa na Toscana. Envolvida com as reformas do local e com o novo livro que pretende escrever, Frances faz amizades e reacende a mulher feliz que um dia existiu ali. E passa a ser chamada pelos italianos de Francesca. Fofo.

sob-o-sol-da-toscana O filme é único, lindo, emocionante. Apesar do começo cheio de drama, com a mulher traída e a depressão da situação, a história passa a retratar o crescimento de Frances e sua jornada para vencer esse obstáculo que deixava sua vida estagnada. Em um momento de desabafo, Frances chora e diz que queria um casamento na sua casa nova e que uma família vivesse ali. O que acontece, mas não da forma que pensamos.

2003_under_the_tuscan_sun_002 Desde o início do filme, pensei que Frances seria o centro de tudo, que quando ela encontrou Marcello, ele seria seu novo amor e que tudo se resumiria àquilo ali. Mas esse é o diferencial da produção. O centro é Frances, mas combinado com aqueles que vivem em sua volta e são importantes em sua vida. Ela fica amiga dos poloneses que trabalham na reforma da casa – e que rendem cenas fofas –, aprende a ajudar o vizinho na colheita de azeitonas e de cogumelos, ajuda também Katherine, que é uma figuraça, e se envolve naquela comunidade. Ela passa a fazer parte daquele lugar.

2003_under_the_tuscan_sun_007 Resumindo e sem mais delongas, é um filme lindo, com uma fotografia belíssima, uma mensagem tocante e com um trabalho de atuação incrível de Diane Lane. Créditos também para a direção de Audrey Wells. Definitivamente é um filme que merece ser visto.

Curiosidade

O filme é baseado no livro escrito por ninguém menos que Frances Mayes. A sinopse dele é a seguinte:

Frances Mayes, exímia narradora de viagens e amante da gastronomia, nos apresenta o incrível mundo que descobriu quando comprou e reformou uma casa de campo abandonada no interior da Toscana. Com uma linguagem sensual e evocativa, ela faz com que o leitor a acompanhe à medida que vai descobrindo a beleza e a simplicidade da vida na Itália. Seguindo a tradição de turistas famosos em visita à Toscana, ela refaz passeios de D.H. Lawrence e Henry James, e consulta o poeta Virgílio. Tão talentosa na cozinha quanto ao escrever sobre vinhos e culinária, Mayes também cria dezenas de deliciosas receitas sazonais, todas elas incluídas no livro.
Ao fazer pela Toscana o que M.F.K. Fischer e Peter Mayle fizeram pela Provence, Mayes fala das singularidades e prazeres de um país estrangeiro com entusiasmo e paixão. Uma enaltação da extraordinária qualidade de vida da região, Sob o sol da Toscana é um banquete para todos os sentidos, e como tal foi consagrado nas listas de mais vendidos de todo o mundo e adaptado com enorme sucesso para o cinema.

Skoob.

Fiquei com vontade de ler.

Só encontrei o trailer em inglês.

Para quem tem TV por assinatura, aqui vai a dica: o filme será transmitido neste domingo, às 19h55, no Telecine Touch.

Beijos e uma ótima quarta-feira.

Comente com o Facebook: