Cinquenta Tons de Cinza

cinquenta-tons

Hoje é a minha vez de contar sobre a experiência com o primeiro livro da série que vem abalando o mundo literário. O sucesso dos tons da E.L. James é gigante, pessoas que eu nem imaginava que poderiam gostar de ler ou que se dessem ao “trabalho” estavam comentando e incentivando outras para ler. Acho legal, apesar de o livro em questão não ser uma obra-prima literária, consegue ser uma boa leitura de entretenimento. Eu curti bastante a leitura, mas também não gostei de algumas coisas.

O bafafá em torno de Cinquenta Tons de Cinza mostra como o povo brasileiro gosta de ir de encontro com modinhas, né? Mas se for para despertar o gosto pela leitura, acho muito válido. A moda é tanta que depois de vampiros, anjos e lobisomens, chegou a vez dos romances eróticos bombarem nas prateleiras e saltarem aos nossos olhos. Voltando ao livro, primeiro preciso agradecer a Cíntia Teixeira, que me emprestou o exemplar dela. Obrigada!! Segundo, mesmo achando o livro fraquinho em termos de escrita, não posso negar que o protagonista é irresistível.

Eu comecei a ler, confesso, com algum preconceito, achando que o livro seria bem mais ou menos, na verdade, bem menos do que mais e me surpreendi. Como escrevi acima, ele obviamente não é nenhuma obra-prima, não se compara jamais à A menina que roubava livros, por exemplo, ou ainda a algum livro do Zafón no quesito escrita, mas ele tem seu mérito. O livro te prende e a leitura flui muito bem. É quase o mesmo caso de House of Night, que tem seus fãs e aqueles que odeiam, mas não se pode negar que a leitura rende.

Christian Grey poderia ser mais um protagonista que faz a piriguete literária  interior  de cada leitora se remexer, mas ele é mais do que isso. Instantaneamente eu fui desarmada por ele, aliás, assim como todas as mulheres citadas no livro. Ele é misterioso demais e para alguém tão curiosa como eu, isso é um prato cheio, não tem como não ficar ligada, querendo mais. Queria saber sobre o seu passado, por que ele ficou daquele jeito, se ele sofreu e, principalmente, onde aquilo tudo ia parar. Cada brechinha e nova informação sobre ele era motivo de comemoração, quem sabe eu poderia conhecê-lo e entender seus motivos para ser tão sozinho, mesmo sendo tão encantador.

Como a grande maioria de vocês deve saber, senão 100%, o livro conta a história de Christian e Anastasia Steele. Um cara milionário – ou bilionário – e uma formanda desajeitada e com a autoestima abaixo do dedão do pé. Ele gosta dela, os dois têm uma química incrível e uma atração grandiosa. Só que ele não é um cara “normal”, daqueles que quer namorar, beijar, dar uns amassos e chegar aos finalmentes. Ele é adepto do BDSM, que de acordo com a Wikipédia – sei que não é a melhor fonte, mas… - tem o intuito de trazer prazer sexual através da troca erótica de poder, que pode ou não envolver dor, submissão, tortura psicológica, cócegas e outros meios. Por padrão, a prática é provocada pelo(a) Dominador(a) e sentida pelo(a) Submisso(a). E Ana, bem, ela não é adepta de nada, se é que me entendem. Nem mesmo de sexo.

Enfim, o livro segue o desenrolar dessa relação. Dele querendo que ela assine um contrato para ser sua submissa e dela querendo algo mais dele, mais próximo de um namoro comum. E achei muito fofo ele querer esse mais por ela. Afinal, o sentimento entre eles era completamente diferente do que ele tinha com suas ex-submissas. Ele gostava mesmo dela, mas não era preparado para sentir isso. Ele é um fofo quando quer, o que deixa Christian mais encantador ainda.

Ana – que não gosta muito de ser chamada de Anastasia – se acha tão pouco, que suas lamentações eram irritantes. “Ai, por que ele está comigo?”, “Não sou bonita o suficiente”, blablablá. Olha, a Clara – de Ser Clara – bem que poderia doar um pouco da autoestima dela para Ana, a menina está precisada. Apesar de ser taxada no início como desastrada – um defeito roubado de Bella – só lembro de ela ter sido assim umas três vezes, no máximo. Entre elas, a vez que entrou no escritório de Christian pela primeira vez e se estatelou, ficando de quatro.

As partes mais divertidas para mim, sem dúvida nenhuma, eram os e-mails. Lá os dois se soltavam e o Sr. Grey era todo engraçadinho, mudando as assinaturas dos e-mails, rindo da Ana. Ali, ele mostrava o cara que poderia ser, sem toda aquela bagagem, que eu imagino ter sido dolorosa. E ela, conseguia ser verdadeira nos e-mails, além de também dar umas cutucadas nele. Quando eu via que tinha e-mail ficava feliz da vida.

Li o livro de 400 e tantas páginas em três dias. Então, ele não é de todo ruim. Consegue prender o leitor, como já escrevi. Entre as coisas que me incomodaram estão as repetições de palavras. Nunca li tanto “murmura”, “murmurou”, “murmurei” na vida. E não posso deixar de citar os momentos vergonha alheia com Ana e sua deusa interior. Socorro! Eu tinha vontade de mandar um e-mail para ela dizendo: “para com isso!!! Está me deixando mega envergonhada com esse papo aí”. Mas não deu, então ela continuava com isso.

Com relação as cenas calientes – rosto começando a ficar vermelho –, não li nada ali que já não tivesse experimentado. MENTIRA!!! Eu morria de vergonha, pensava que as pessoas sabiam que eu estava lendo aquelas indecências bem naquela hora. Muito cômica essa minha mente. Mas para quem leu aquelas 100 escovadas da italiana lá, isso aqui é fichinha. Minha mente abriu completamente para ler essas cenas. Algumas eram bem descritivas, demais até, mas não vi problema nisso. Obviamente fiquei envergonhada, mas faz parte.

Nossa, escrevi demais. Por fim, resumindo tudo, eu gostei da leitura e quero saber o que acontece em Cinquenta Tons Mais  Escuros, porque eu preciso saber mais do passado do Sr. Grey e de como ele e Ana vão resolver a pendenga do fim, que aliás, achei tempestade em copo d’água. Ela aceitou tanta coisa. Bom, agora vou esperar para conseguir o segundo emprestado com a Fabi – né, Fabi?? – e em breve devo contar minha outra experiência com o Christian por aqui.

PS: Pensei em duas músicas para trilha sonora da relação de Christian e Ana. Seguem abaixo.

♪ “Eu me amarrei, eu me amarrei…” ♫

♫ “Vou te amarrar na minha cama, só vai fazer amor comigo…” ♪

Hahahahahaha, ri alto.

Beijos e uma excelente terça-feira.

Comente com o Facebook: