A despedida de How I Met Your Mother

HIMYM

É tão difícil se despedir de algo que a gente gosta, né? Por exemplo, enquanto escrevo isso, ainda estou chorando pelos episódios finais de How I Met Your Mother. Uma série que não foi perfeita, que teve seus altos e baixos, assim como a vida normalmente tem, e que terminou na hora certa, mesmo eu querendo que ficasse mais. Porque a amizade da “gangue” nunca cansava, suas brincadeiras, seus high fives, suas tiradas sarcásticas e todo aquele entrosamento, nas horas boas e ruins pareciam nunca serem demais. No entanto, sei bem que não se deve alongar as coisas só porque achamaos que precisamos delas por mais tempo, pois a história corre o risco de ficar chata, desinteressante e ser terminada sem um final digno (como muitas séries por aí).

How I Met Your Mother foi capaz de me proporcionar 208 episódios (78 horas, de acordo com o Banco de Séries), muito divertidas, cheias de aprendizado e, acima de tudo, me deu cinco amigos de quem jamais esquecerei. Porque Ted, Barney, Robin, Lily e Marshal são o tipo de pessoas que eu amo ter como amigos e depois de nove temporadas, não tenho como não me sentir parte desta turma. Sofri com o Marshall quando ele e a Lily terminaram, aliás, são um casal incrível, admirável. Fiquei feliz em cada barreira ultrapassada por eles. E sofri toda vez que o Ted quebrou a cara, achando que aquela garota era a tal, principalmente quando ouviu da pessoa que ele amava que ela não sentia o mesmo e quando foi abandonado no altar. E ri muito com as peripécias de Barney, que rendeu até um livro, lançado no Brasil pela Intrínseca – leia as primeiras páginas aqui. Robin também foi ótima, com seus cachorros, sua paixão pelo telejornalismo – mesmo que no início quase ninguém a assistisse, ela persistiu – e sua capacidade de superação. Aiai, quase que começo a chorar de novo.

How I Met Your Mother

Sempre que uma série chega ao fim, queremos que ela termine da melhor maneira possível, fechando todas as pontas soltas e nos deixando com aquela satisfação após o último segundo. Nem sempre elas conseguem, mas mantemos a positividade. Em HIMYM, confesso que fui totalmente pega de surpresa. Não esperava por aquele final e, apesar de muitos não terem gostado, afinal não era o mais lógico, eu achei muito bom. Não o melhor, mas muito bom. Nem sempre o destino vence, nem sempre conseguimos ser felizes para sempre como desejamos, nem sempre a história termina com um final feliz para todos. Mas o caminho até ali faz valer a pena, é o lado bom.

Não foi como eu esperava, foi mais triste, mais rápido também. Aliás, tenho uma queixa, a temporada parece que foi tão arrastada e os episódios finais foram uma correria. Poderiam ter mostrado mais antes, queria conhecer a mãe melhor. Ainda mais por ter amado aquela mulher e a achado perfeita mesmo para o Ted, queria saber mais sobre ela, que ela aparecesse mais. No fim, uma frase dita pela filha do Ted deu sentido total a série toda. Respondeu o motivo de o Ted ter começado a contar a história aos filhos. É bom quando a série não decepciona com seu final, mesmo tendo algumas falhinhas.

HIMYM 4

Agora é lembrar as aventuras legen… wait for it… dary, as risadas, as situações embaraçosas e namoradas loucas do Ted e sorrir, porque valeu a pena ter acompanhado. Ainda bem que sempre temos a opção de rever. No Brasil, ela é exibida pela Fox – saiba mais aqui. E para eu não ficar tão triste, tenho que pensar que abriu vaga para mais uma série na minha grade. Vício é assim.

ted

Hahaha, o intérprete de Ted citando uma cena do finale. Sentirei saudades. E estou chocada com a quantidade de pessoas descontentes com o fim da série, principalmente lá fora. No Tumblr mesmo é só o que se lê (aliás, foi de lá que tirei as fotos). Acho que foi tudo muito rápido para o pessoal conseguir absorver e entender. Não tiro a razão de muitas reclamações e repito, não foi o melhor, não foi perfeito, muito menos o que eu queria, mas foi bastante compreensível. E eu termino com uma sensação boa.

HOW I MET YOUR MOTHER

Comente com o Facebook: